Depoimentos  
 

"Espero que seus dias tenham sido abençoados, cheios de realizações e abertos para descobrir e desenvolver o desejo compassivo de servir e apoiar outros seres com as habilidades que tens, em qualquer circunstância que estejas.
Peço que possamos ter fé no amor e na força imorredouros de todos os seres iluminados que abençoaram a terra com a sua presença, e que possamos obter estímulos nos exemplos vivos dos grandes mestres, homens e mulheres como nós. Possam aqueles que agora estão nascendo e aqueles que estão lutando nesta vida ser alimentados pelas bênçãos e dignidade do existir. Possam eles seguir o caminho da sabedoria.
Peço finalmente, para que você venha sentir minha gratidão pelo seu apoio como voluntário e a descobrir no mais profundo do seu ser a verdade viva de meus desejos.
Os ensinamentos de todos os caminhos místicos do mundo deixam claro que há dentro de nós uma imensa reserva de poder, de sabedoria, de amor e compaixão. O poder daquilo que Cristo chamou de reino dos céus. Se aprendermos a usa-lo – e essa é a meta da busca da iluminação – ele pode transformar não apenas a nós mesmos, mas o mundo ao nosso redor.
Caminhamos no aprendizado do amor e cooperação, de nos dedicarmos à preservação do planeta e a servir ao próximo. Sabemos que o primeiro passo dessa jornada começa quando cuidamos de nós, de nossa família, de nossa comunidade e de nosso país.
Estamos caminhando para um período da história humana no qual começaremos a observar a transformação de milhares de pessoas neste nosso planeta. Trata-se de uma época em que necessitamos urgentemente de uma consciência superior mais esclarecida para podermos solucionar nossos inúmeros problemas de saúde (físico, emocional e mental), sociais, econômicos, ecológicos e planetários. À medida que mais pessoas começarem a se beneficiar com as modalidades terapêuticas energéticas, que apóiam a assistência holística a saúde melhorando assim, significativamente a ligação entre a personalidade e o eu superior, o desempenho espiritual de milhares de mentes adormecidas irá começar a estimular as energias do amor e da cura, as quais podem acabar transformando o planeta terra em um local de mais paz e equilíbrio.
Gratidão eterna por sua cooperação como voluntário do TOCAR.
“Deus necessita de suas mãos para tocar, para manifestar a si mesmo”.

Regina Almeida

"Eu fiz meu “debute” no dia 2 de agosto de 2004 na creche Ação Social Paula Frassinetti, na Asa Norte. Cheguei na hora indicada e fui aos poucos me ambientando. Isto não foi difícil, pois a equipe é muito simpática. Após uma breve reflexão juntos iniciamos o trabalho.

Fiquei surpresa com o que vi: Crianças limpinhas, alegres, bem nutridas. Com um “ rabo de olho” observei a atitude das colegas veteranas. E fui atendendo as criancinhas que curtiam massagem Fiquei encantanda com este trabalho.

Espero que novos voluntários se juntem a nós."

Voluntária Leonila Zago

"Adorei trabalhar como voluntário. Nunca havia tido essa oportunidade anteriormente, ou melhor, nunca havia me empenhado realmente em buscar um trabalho assim. Acho que ao esempenharmos uma tarefa como essa somos nós os maiores beneficiados. Vamos em busca de doar algo e percebemos que nós é quem recebemos muito em troca."

Mardonio Figueiredo B. de Menezes.
Voluntário na Casa Pão de Santo Antônio na 906 Sul


"Pude perceber com o trabalho de voluntário do toque o grande alcance , a profundidade do aprendizado que passamos quando tocamos alguém com amor. Tem sido extremamente gratificante para mim poder participar u pouco na ajuda ao próximo. Obrigada por esta oportunidade!!!"

Maria Alice Braga

"Tocar, esse projeto que toca, que toca e transforma a cada encontro. Senti que todos foram tocados pela transformação. A instituição se transformou em nossa casa, acolhendo, abrindo as portas, confiando em nosso trabalho.Nós chagamos à conclusão que: de pessoas que iam doar...recebemos. Finalizo este ano com a alegria de me perceber na beleza do contato amoroso com o outro. Gratidão sem fim...à creche, às crianças, aos colegas, à Regina e principalmente à Deus, pela sua presença."

Magda Pereira Pinto – Creche Pão de Santo Antônio. Dezembro de 2003

Este trabalho é maravilhoso, como já faço parte de um outro grupo mais ou menos similar, este só veio a acrescentar. Eu me sinto plena, realizada no dia que vou à Instituição.
Parabéns a todos pela iniciativa e pelo lindo trabalho.

Marli Marques, voluntária Tocar

Muitas vezes recebo abraços carinhosos das crianças, porém, marca muito a palavra dita olho no olho, numa demonstração de afeto. Frases como estas que duas crianças disseram:
“Gosto muito quando você faz a massagem em mim, porque você é muito carinhosa e calma, diferente da minha tia”.
“Senti saudade de você! Queria ser você”.

Eva Gil, voluntária Tocar

O abraço de uma criança em especial, foi o que mais me tocou. Uma criança que foi muito ferida em seu ser, mas que me abraçou inteira e radiante.

Luciana Beco Madureira
Coordenadora Casa Abrigo 2003

Trabalho neste projeto desde março de 2001 na creche comunitária do Varjão.
Uma das coisas mais tocantes que me aconteceu lá, foi quando duas garotas quiseram fazer massagem em mim e também nas outras crianças. Disseram fazer em suas mães e irmãos em casa. Pude perceber claramente o grande alcance daquilo que fazemos, a profundidade do aprendizado que passamos quando tocamos alguém com amor. Foi muito lindo e tem sido extremamente gratificante para mim poder ajudar ao próximo, que não seja um amigo ou parente..
Obrigada por esta oportunidade!

Maria Alice Braga, voluntária Tocar - Creche Comunitaria Varjão

Já havia algum tempo que eu procurava um trabalho voluntário, foi então que descobri o projeto TOCAR. Ao conhecer a proposta fiquei um tanto quanto encabulada, constrangida, sem jeito e insegura com o fato de tocar pessoas totalmente desconhecidas. Por eu ser uma pessoa tímida e muito reservada pareceu-me muito difícil. Mas como eu mesma estava me submetendo a massagem shiatsu, sentia na própria pele os benefícios que um toque pode nos trazer, por isto resolvi começar e conferir se eu seria capaz de levar o trabalho adiante. À medida que as massagens iam acontecendo, que eu ia tocando e olhando no olho de cada criança uma energia boa ia fluindo, juntamente com uma sensação de bem estar, de amor e de gratidão. Sentia, muitas vezes, guiada pela intuição e percebi que estava envolvida neste trabalho de uma forma muito tranqüila, prazerosa e gratificante.
E graças ao TOCAR e à todas as crianças que passaram por minhas mãos, tive a oportunidade de desenvolver a minha afetividade e estende-la a toda a minha família e amigos. Contribuiu também para que eu pudesse rever e harmonizar alguns relacionamentos com pessoas queridas e que pareciam conflituosos. Hoje me sinto uma pessoa melhor, celebrando mais a vida e mais aberta para os relacionamentos familiar e social.

Ana Maria T. Maia, voluntária Creche Paula Frassinete

Sempre trabalhei com público; adulto e depois infantil. Com as crianças eu me sinto realizada e meu crescimento espiritual se realiza junto a elas. A necessidade de serem tocadas e ouvida que elas têm é a mesma que eu sinto. Portanto em cada 2ª feira em que acontecem as massagens eu me sentia abastecida espiritualmente com olhares, abraços e beijos.

Lucy Marleide, voluntária Creche Paula Frassinete

Momentos emocionantes, experiências únicas, não os tive nestes três anos que estou no TOCAR, mas continuo com o trabalho de tocar, semana após semana, mesmo que muitas vezes, fico me perguntando o que estou fazendo, porque continuo. Porém, sinto-me renovada a cada massagem, no final do trabalho e isto me leva a continuar. Também reafirmo a minha certeza que estamos plantando para o futuro. Estamos colaborando para que as crianças consigam entrar em contato com a sua energia e não para transforma-las em seres bem calminhos. Sei por experiência própria que o desbloqueio de nossa energia faz bem a saúde e assim continuo com o compromisso assumido comigo mesma de dar algo de mim.

Maria Elisa da Silveira, coordenadora creche Paula Frassinete

Na 3ª semana em que fui à creche, uma das crianças que atendi me sensibilizou muito e também me gratificou bastante, fazendo com que eu tivesse a certeza de que esse trabalho é realmente muito importante para as crianças.
Esse garotinho de mais ou menos 3 anos chegou tão tenso que eu não conseguia nem levantar os braços para que eu pudesse tirar a blusinha dele. Ai, com jeito eu consegui tirar sua roupinha e começar a toca-lo. Depois de alguns minutos, cheguei perto do ouvido dele e perguntei se ele estava gostando e fiquei muito feliz quando ele me respondeu assim: “estou adolando”.

Maria de Lourdes B. de Medeiros, voluntária Creche Tia Angelina, Varjão.

A minha experiência nesse projeto foi muito gratificante. Quando chegávamos e sentíamos que as pessoas da casa estavam nos esperando, ou quando achavam que uma vez por semana era pouco, víamos que realmente aquele momento de toque era muito importante para elas, tanto quanto para nós.
Quando uma criança começava a fazer massagem na outra, também era um momento de felicidade. Eu, no momento que terminava a massagem e ia me abraçar a ela, eu sempre dizia para ela continuar, para ela tocar a mãe, irmãos, pai e que ela ensinasse para outras pessoas, mesmo que não se lembrasse passo a passo da massagem. Que ela tocasse e fizesse a outra pessoa sentir o que ela estava sentindo naquele momento.

Andréa Miranda, voluntária Tocar

Estou gostando muito do meu trabalho voluntário, pretendo me aperfeiçoar a cada dia, os meus irmãos de trabalho também são pessoas ótimas. Fiz meu recadastramento porque quero continuar esse trabalho que é muito gratificante para todos nós.
Peço à Deus que nos abençoe nessa caminhada de caridade, amor e carinho.

Joelma Andrade Franco de Oliveira, voluntária Tocar

Uma experiência marcante:
Um menino de 3 ou 4 anos chegou a mim com os olhos muito assustados e “preventivos”. A rigidez do corpo correspondia a do olhar. Tentei conversar, mas foi inútil. Ele se sentia como que ameaçado. Enviei mensagem silenciosa, de amor. Ele se levantou e foi embora, como que fugindo. Para minha surpresa, já no meio da sala ele voltou abriu os braços e me abraçou forte.

Nice Mecking, voluntária Creche Pão de Santo Antônio

A minha entrega no grupo veio acrescentar para a minha própria vida, a certeza e a importância de estar perto de outros seres, seres humanos. Mas, principalmente, aprender a valorizar os pequenos, contudo grandiosos momentos que vivemos. E ainda ter a certeza da felicidade que podemos ter quando amamos. Amar sem nenhum preconceito, amor, independente da idade, da cor, do sexo, da beleza, da doença ou qualquer outro. Apenas abrir o coração verdadeiramente para dar amor e carinho; e é quando a gente menos espera que vem um sorriso de volta, um abraço, um beijo, um obrigado ou um simples olhar. Tem sido os olhares o que mais têm me tocado, é incrível parar diante de uma pessoa idosa que não tem palavras para falar e nem movimento corporal, mas que pelo olhar é capaz de amar e de certa maneira conversar conosco. A única coisa que posso dizer é que a cada ida de doação é um enorme crescimento humano que vivo.

Catarina Gomes, voluntária Abrigo de idosos Lar Bezerra de Menezes

Quando entrei no projeto TOCAR, no início de 2002, imaginei, ingenuamente, que estaria começando um processo voluntário de doação. Doação de um pouco de carinho, de tempo e de amor a algumas crianças. Eu não fazia idéia de que, na verdade, eu iria receber muito, muito mais do que eu iria doar.
Hoje sou muito grata, especialmente à Regina, pela oportunidade de exercitar meu amor de forma simples, mas intensa.
Cada criança que toco me dá de volta muito mais, porque o sentimento que brota dela é muito mais puro e mais verdadeiro, que me faz sentir amada de uma forma especial, e faz de mim uma pessoa melhor.

Tereza Ouro, voluntária Tocar

A experiência de fazer a polarização em acompanhantes de pacientes, tem sido muito gratificante. Nestas experiências, sinto que flui através de mim, uma energia contagiante, sinto-me muito confortável por ser este canal.

Edneusa Maria, voluntária TOCAR